Carregando Conteúdo
x
WhatsApp (55) 3199941 4532
Brasil Itália

Dicas e Ideias

2. PSICOGENEALOGIA CLÁSSICA - Anne Ancelin Schutzenberger

      textgo.jpg

"Aquilo que não se exprime, se imprime."

Anne Ancelin Schutzenberger

 

 

Anne Ancelin Schutzenberger, psicóloga francesa,  desenvolveu um método a partir dos diversos estudos transgeracionais, que desde os anos 50 quando estava nos Estados Unidos tinha começado a se aprofundar.

 

A questão das transmissões psíquicas inconscientes entre gerações foi entendida de certa forma, entre vários por Jung, mas é Anne Ancelin que, a partir dos estudos estatísticos de Josephine Hilgard sobre repetições familiares, juntando a teoria sistêmica da escola de Palo Alto e as analises de Boszomenyi-Nagy sobre lealdades invisíveis, soube fazer uma síntese e propôs um modelo teórico e prático.

 

Anne Ancelin propõe o genossociograma de Henry Colomb como instrumento terapêutico que é a junção do genograma e da sociometria de Edgar Moreno e a representação gráfica da constelação familiar (Bert Hellinger) com os seus distúrbios e os seus problemas.

 

Chama Psicogenealogia o trabalho com o genossociograma ou árvore psicogenealógica.

 

Segundo este método, os traumas, os segredos, os conflitos vividos de modo dramático, podem condicionar por transmissão transgeracional, os descendentes que podem tornar-se portadores de distúrbios, doenças ou comportamentos estranhos e inexplicáveis. A partir da ampliação da consciência destas transmissões, ajudam a liberar-se das repetições.

 

Os objetivos da psicogenealogia são:

  • falar da própria vida e mostrar claramente a história da família atual e da família de origem colocando em evidência as relações entre as diversas pessoas que a compõe;
  • situar-se em uma perspectiva transgeracional e colocar-se em pesquisa das próprias raízes e da própria identidade;
  • evidenciar os processos de transmissão transgeracional e os fenômenos de repetição;
  • entender os efeitos de um luto mal resolvido, dos não-ditos, compreender uma situação como a do bebê de substituição; 
  • evidenciar também os diversos papéis familiares e as regras que as mantém para entender as modalidades transacionais em jogo naquela família.

 

O modelo psicogenealógico trabalha vários níveis ao mesmo tempo:

  • o conceito de lealdade invisível de Boszonenyi-Nagy sobre justiça, injustiça, débitos e méritos dentro da família – o livro de contas familiares;
  • as noções de cripta e fantasma (mortes vergonhosas e segredos) de Nicolas Abraham e Maria Torök;
  • o bebê de substituição, um membro da família que substitui fantasmagoricamente uma outra pessoa e que leva consigo o lutos não elaborados da família
  • a síndrome de aniversário, repetições, nas mesmas datas, de eventos (nascimentos, mortes, doenças, incidentes, etc) importantes para a família, descoberta de Josephine Hilgar;
  • as neuroses de classe que o sociólogo francês Vincent de Gauléjac explica sobre certos fenômenos de auto-sabotagem econômico e social especialmente em pessoas que tenham superado os próprios genitores e são passados de uma classe social a outra;
  • as alianças familiares com exclusão ou integração de certos membros e não de outros.

 

Também faz a diferenciação entre:

  • transmissão intergeracional (consciente) que considera as transmissões verbais dos hábitos e histórias familiares, por exemplo;
  • transmissão transgeracional (inconsciente) que não é falado: são os segredos, os não-ditos, as coisas escondidas por vergonha, as vezes proibidas até no pensamento, que atravessam as gerações sem nunca ser pensadas e metabolizadas.

 

Tudo acontece como se qualquer coisa que não pode ser esquecida se transmita de geração em geração. Como se não pudesse esquecer um acontecimento da vida, como se não pudesse não esquecer, mas também não falar, transmitindo-o em silencio.  Anne Ancelin Schutzenberger

 

A prática clínica

A Psicogenealogia que Anne Ancelin propõe é um trabalho de observação e de sínteses em colaboração como o cliente no sentido rogeriano: não tem uma doença, portanto o paciente/cliente está no mesmo nível do terapeuta que procura com ele as soluções.

 

A abordagem deve ser centrada sobre o outro, sobre a comunicação verbal e não verbal, a expressão indireta dos sentimentos e das sensações através da linguagem do corpo, a postura, o gestual, o ritmo respiratório, a ocupação do espaço, as micro tensões musculares, etc. O terapeuta deve ser capaz de perceber todos os sinais significativos que o ajude a criar hipóteses e poder fazer perguntas pertinentes que podem ajudar a pessoa no seu trabalho de memória familiar.

 

O trabalho de psicogenealogia começa com uma sessão na qual a pessoa fala de si mesma desenhando a sua árvore genealógica com os acontecimentos importantes dos membros da família – casamentos, nascimentos, partidas, mudanças, divórcios, separações, mortes, etc.

 

Anne Ancelin através desta prática demonstrou que colocar em evidencia um trauma familiar passado e falar, permite de fazê-lo sair da sua cripta e, mesmo que frequentemente não seja suficiente para uma mudança de vida ou de saúde, ajuda e é um primeiro passo para uma melhora.

 

Anne Ancelin se ocupou, durante muitos anos, de acompanhar enfermos de câncer em fase terminal e já tinha recolhido em 1993, antes da publicação de seu livro Meus antepassados, um arquivo de quase quatrocentos genossociogramas.

 

"No curso da minha vida de terapeuta, vi famílias que reproduziam doenças, incidentes ou mortes involuntárias, uma, duas ou até mais gerações sem que entendesse o porquê, como uma marca sobre o corpo ou uma incisão sobre o tempo. " 

Anne Ancelin Schutzenberger

 

 

81244952-d97c-48b1-8f51-00cf8540a435.jpg

Jaqueline Cássia de Oliveira

Psicoterapeuta Familiar Sistêmica - Brasil

Psicogenealogista - Itália 

 

A PSICOGENEALOGIA SISTÊMICA APLICADA

  

  • A Psicogenealogia é um tema relativamente novo e a psicóloga e psicoterapeuta Jaqueline Cássia de Oliveira é uma das pioneiras desses estudos e trabalhos no Brasil.
  • Sobre o tema, em 2014, elaborou o material didático: Psicogenealogia Sistêmica - O romance familiar contado pelo genograma©  (com mais de 1.000 leitores) e em 2018 Quem são os antepassados?© (2018), pela Interação Sistêmica Edições.
  • Traduziu e apresentou o livro: Jung, Psicogenealogia e Constelações Familiares© de Maura Saita Ravizza, pela Interação Sistêmica Edições.
  • Apresentou o livro  Psicogenealogia: Um Novo Olhar na Transmissão da Memória Familiar, de sua colega e pioneira, Monica da Silva Justino.
  • De 2011 a 2016, junto à Interação Sistêmica®, organizou e ministrou cursos e workshops sobre o tema transgeracionalidade e  Psicogenealogia Sistêmica, reunindo mais de 700 profissionais, entre psicólogos, psicoterapeuta sistêmicos e consteladores familiares de diversas regiões do Brasil.
  • Nomeou seus estudos e trabalhos sobre transgeracionalidade (dentro da visão da Psicogenealogia, da Terapia Familiar Sistêmica e da Psicologia Arquetípica e Imaginal) como Psicogenealogia Sistêmica Prática.
  • Organizou o curso virtual breve - Conceitos Básicos da Psicogenealogia Sistêmica
  • Organizou o curso virtual - Psicogenealogia Sistêmica Aplicada®
  • Fez sua formação em Psicogenealogia através de cursos e estudos do seu genossociograma na Itália e Argentina com importantes professores e teóricos.
  • Conheça seu currículo clicando no link: http://www.interacaosistemica.com.br/quem-somos
  • Clique na imagem abaixo e visite  nossa  loja virtual. À venda livros e materiais  sobre  o  tema!

 

Assine  nosso canal do YouTube! 

https://www.youtube.com/user/Interacaosistemica

 

                

 

 À venda livros e materiais didáticos  em nossa loja virtual.

12745957_982592095144673_881944439936189